Jornal da Praceta

Fundado em 2001

 

 

Mobilidade

Anterior

 

Autocarros Urbanos e Carreiras Suburbanas

Paragens

Avenida do Brasil - Paragens de Autocarros

As paragens de autocarros situados no troço da Av. do Brasil entre o Campo Grande e a Rua Afonso Lopes Vieira são um suplício indescritível para os transeuntes, e para quem se serve das mesmas. O passeio é exiguo, está atravancado de obstáculos, obrigando frequentemente as pessoas a andarem pela rua, sujeitando-se a serem atropeladas. A CML, a quem compete intervir neste espaço público, tem revelado uma total falta de respeito pelos munícipes.

A Junta de Freguesia de Alvalade (Outubro de 2016) resolveu intervir na zona das paragens e semeou pilaretes pelo passeio de modo a evitar o estacionamento de automóveis. Um supermercado que existia no local (Azeitona), também ocupava a via pública com caixotes na maior das impunidades. Devido à insistência que o Jornal da Praceta, a Junta de Freguesia falou com a gerência do dito supermercado e a partir daí registou-se uma diminuição dos caixotes do lixo no passeio ( !).O novo supermercado que se instalou (Auchan) felizmente não seguiu a prático do anterior.

Junto às paragens, existe um caótico "parque de estacionamento" está quase sempre repleto de lixo, não raro aqui são abandonados automóveis.

Uma intervenção de fundo neste espaço, garantem-nos, só ocorrerá perto das eleições autárquicas de 2021 ! 

1. Passeios Amputados

 

A Câmara Municipal de Lisboa seguindo a sua habitual política de subordinar tudo ao automóvel, na zona mais movimentada por pessoas na Avenida do Brasil reduziu a um terço a largura do passeio.  Esta foi a sua única intervenção ao longo dos anos. As pessoas passaram a serem obrigadas a andarem pela rua.

 

 

A pouca largura deo passeio colocou constantemente em perigo a vida de todos o que nele andam, sobretudo nas alturas de maior movimento. As quedas são uma constante.

 

 

 

 

A situação é verdadeiramente chocante, mas nada que incomode os autarcas da freguesia. Foto: 28/01/2016

 

2. Obstáculos no Passeio

Antes de Outubro de 2016, o passeio estava não apenas repleto de lixo, mas também de automóveis. O Jornal da Praceta bateu-se durante anos para que estes obstáculos fossem removidos.

  

Os passeios estavam constante bloqueados com automóveis antes da introdução dos pilaretes.

 

 

A população idosa e os deficientes estavam sujeitos a um autêntico suplício para vencerem tantos obstáculos. Foto: 28/01/2016

 

Palavras para quê, este é um passeio de Lisboa.

 

Pare além da incúria da CML/Junta, neste pequeno troço de uma avenida, podia-se observar também a falta de civismo por quem tinha a obrigação de dar o exemplo: um autarca da antiga Junta de Freguesia do Campo Grande.

O passeio depois da introdução dos pilaretes, permitiu criar alguns espaços para as pessoas puderem movimentar. (Outubro de 2016)

3. Lixeiras nos Passeios

 

Neste pequeno troço da Av. do Brasil, onde funciona um supermercado, três cafés,  um cabeleireiro, entre outros estabelecimentos comerciais, aquilo que não falta aqui é lixo nos passeios. A preocupação com a higiene pública era mínima.

 

Os passeios estavam sempre apinhados de automóveis, caixotes de lixo, anúncios, trabalhadores a lavarem viaturas, etc.

 

Se o estacionamento selvagem de automóveis foi resolvido com a introdução de pilaretes (Out.2016), persiste todavia o lixo no passeio. A Policia Municipal, a PSP e a Junta de Freguesia de Alvalade mostram-se indiferentes perante a situação (Junho de 2017)

 

 

Restos de Troncos de Arvores

 

A Junta de Freguesia de Alvalade seguindo uma velha tradição da CML iniciou uma obra (derrube de velhas árvores), mas não concluiu (retirar os troncos). Resultado: onde existia uma árvore, ficou durante anos uma lixeira !

 

Era este o aspecto da Av. do Brasil ainda em fins de 2016. As antigas caldeiras das árvores estavam transformadas em depósitos de lixo.

.

A Junta de Freguesia de Alvalade só no inicio de 2017 resolveu plantar novas árvores ao longo de toda a Avenida do Brasil. 

 

 

4. "Parque de Estacionamento"

 

Mesmo junto às paragens de autocarros e nas traseiras da Igreja do Campo Grande fica um espaço de "ninguém". O proprietário, segundo técnicos da Junta de Freguesia, é desconhecido. Neste sentido, todos se aproveitam do mesmo para estacionarem automóveis de forma desordenado, para depositarem lixo, erguerem reclamos, etc. A CML e a Junta de Freguesia remetem-se por sua vez à inação, alegando que nada podem fazer porque desconhecem quem são os proprietários...

 

Aspecto do "parque" de estacionamento, à saída de uma oficina de pneus.

Automóveis abandonados junto à paragem de autocarros na Avenida do Brasil.Foto: Julho de 2017

Automóveis abandonados é o que não falta neste espaço. 

5. Intervenção Policial

 

A intervenção da Polícia Municipal de Lisboa ou da PSP- Divisão de Transito tem sido, nesta artéria de uma ineficácia completa.

 

A Junta de de Freguesia apressa-se a fazer pequenas reparações em passeios onde não passa ninguém, mas esquece-se deste lugar onde passam largas centenas de pessoas. As que tem um reduzida mobilidade passam verdadeiros tormentos para percorrem escassos metros.

 

6. Intervenção da Junta de Freguesia de Alvalade

 

Entre as novas competências que possuem as juntas de freguesia de Lisboa está a intervenção nos espaços públicos, pelo que era expectável que a junta de freguesia de Alvalade fizesse aquilo que a CML não fez ou estragou. Técnicos da junta garantem que estão a fazer os possíveis, isto é, a pressionarem a CML para agir...

   
 
 

Entrada