Jornal da Praceta


Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

   Anterior

 

 

Impacto do Coronavírus (Covid-19) na Freguesia de Alvalade

É impressionante a rapidez como se propagou a pandemia do Covid-19. Em Dezembro de 2019 surgiram os primeiros casos na cidade de Hubei na China. No dia 31 Janeiro de 2020 são detectados em Itália os primeiros casos, em Fevereiro este país vive já uma tragédia de saúde pública. O primeiro caso em Espanha foi detectado também a 31 de Janeiro nas Canárias. No dia 4 de Março morre a primeira pessoa neste país. Em Março repete-se na Comunidade de Madrid a tragédia que se vivia em Itália.

Dia 2 de Março de 2020: Foi detectado o primeiro caso em Portugal. Em muitos pontos do país começam a ser tomadas medidas preventivas para enfrentar uma possivel pandemia.

Dia 7 de Março: Nas redes sociais e na comunicação social atribui-se á China a responsabilidade pela origem e propagação do virús. A comunidade chinesa receia represálias por parte de bandos de marginais. Começam a ser criadas instalações provisórias para acolher doentes com Covid-19 para libertar os hospitais de doentes em convalescência.

Incêndio junto a loja de produtos chineses

No passado dia 7 de Março (sábado) um grupo entre 7 e 9 jovens provocou de forma intencional um incêndio junto a uma loja de produtos chineses (San Ya) na Rua João Saraiva, em Alvalade. A comunidade chinesa relaciona esta ocorrência com a propagação do Covid-19. O caso foi entregue á Polícia Judiciária.

Estamos perante um epifenómeno de uma campanha organizada para fomentar o ódio contra a China. Nas redes sociais muitos são os que atribuem á China a origem intencional da atual pandemia. O objectivo do regime chinês seria o de instalar o caos na Europa. Estas afirmações são agora reproduzidas também na comunicação social. O Público, um jornal de referência nacional publicou no 15/3/2020, um tresloucado artigo de opinião de António Barreto ("Emergência e Razão"), onde este conhecido comentador dá como "provado" que o virus foi criado pelos serviços secretos chineses. Como é habitual nestas teorias da conspiração não se referem fontes ou dados concretos que pudessemos verificar a sua autenticidade. Tudo fica ao nível do boato esperando que muitos o tomem como "verdade" sem se questionarem. O Público ao dar espaço a tipo de textos prestou um mau serviço ao jornalismo e á democracia.

Hospital Universitário de Santa Maria

No Hospital de Santa Maria foram instaladas (7 de Março de 2020) 3 tendas cedidas pela Cruz Vermelha Portuguesa para atendimento de pessoas suspeitas de estarem infectadas, enquanto aguardam pelo resultado das análises. As tendas não servem para internamento.

Dia 9 de Março: Em Alvalade encerram atividades ou serviços universidades, escolas, bibliotecas, a Junta de Freguesia e outras entidades. Sucedem-se os comunicados . Multiplicam-se por todo o país ações idênticas.

Dia 12 de Março: o Governo toma um vasto conjunto de medidas depois da declaração de Pandemia pela Organização Mundial de Saúde no dia anterior. As ruas da freguesia de Alvalade começaram a ficar desertas. Escolas, universidades de Lisboa, bibliotecas e multiplos equipamentos públicos existentes na freguesia foram encerradas ou estavam em vias de o serem. Muitos restaurantes e cafés seguiram o mesmo caminho e fecharam portas, outros limitaram a aglomeração de clientes. É nas farmácias que se regista a maior afluência de pessoas.

Dia 16 de Março: Falece a primeira pessoa no país vítima do Covid -19 no Hospital Universitário de Santa Maria (Alvalade).

16 de Março de 2020: 1º. Dia de Confinamento Social

Dia 16 de Março de 2020. Imagens que se repetem por toda a Freguesia de Alvalade. Com tranquilidade e civismo a população segue as recomendações destinadas evitar a propagação do virus.

Hipermercado. Filas de clientes no exterior para evitar aglomerações no interior. Foto: Rua João Saraiva.

Funcionário da higiene urbana da Junta de Freguesia de Alvalade. Foto: Av. da Igreja

Correios. Foto: Avenida da Igreja

Vizinhos. Os moradores de prédios organizam-se para apoiar os que carecem de ajuda. Foto: Av. Igreja

Arrumadores de viaturas em zona tarifadas. Foto: Av. da Igreja

Muitos restaurantes fecharam e outros limitaram o número de mesas. Foto: Av. Igreja

Papelaria. Foto: Avenida Rio de Janeiro

Corrida aos supermercados. Os casos são rarissimos mas já vimos carrinhos de supermercado carregados de alimentos percorrendo grandes distâncias pelas ruas da freguesia. Foto: Av. do Brasil.

Dia 18 de Março: É decretado o Estado de Emergência até 2 Abril. O país contava com 642 infectados e uma segunda morte devido ao Civid-19.

Dia 25 de Março: A Universidade de Lisboa em comunicados revela que muitos dos seus cientistas es tão envolvidos no combate à epidemia.

Universidade de Lisboa na Primeira Linha

A UL, situada em Alvalade, está na linha da frente no combate à Pandemia. Possui o maior hospital do país e foi das primeiras a tomar um conjunto de medidas exemplares no combate ao Covid-19. Mais

 

Dia 26 de Março: Nas janelas, varandas e até nas portas dos edificios são colocadas mensagens de esperança e apoio a todos os que ficam em casa. Os painéis de publicidade enchem-se também de agradecimentos aos profissionais de saúde, forças de segurança, bombeiros, estafetas, a todos os trabalhadores que asseguram o funcionamento do país quando milhões estão retidos em casa.

Dia 2 de Abril: É prolongado até 17 de Abril o Estado de Emergência.

Dia 14 de Abril: Depois da Páscoa em que as medidas de confinamento forma muito rigorosas, as ruas começaram a encherem-se de pessoas. Muitas empresas, nomeadamente cafés e restaurantes, reiniciam a atividade com medidas fortes medidas de protecção.

Dia 17 de Abril: Prolongado o Estado de Emergência até ao dia 2 de Maio. As ruas começam a registar uma crescente movimento de pessoas. O pequeno comércio que até agora esteve fechado inicia de forma condicionada a sua atividade. Os cartazes continuam a ser sobre Covid-19.

O impacto da pandemia tem sido brutal na saúde pública, na economia e naturalmente no quotidiano. Milhões de portugueses são obrigados a permanecerem em casa.

   
 
 

Entrada

História local
Cultura
Quiosque