Jornal da Praceta

Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

 

    Anterior

Avenida Almirante Gago Coutinho

A antiga Avenida do Aeroporto (1947) antes de ser Almirante Gago Coutinho (1960) já foi das mais bonitas de Lisboa. Muitas das suas vivendas foram desenhadas pelos mais reputados arquitectos portugueses, comoo conjunto urbano (nºs 82 a 92), do arquitrecto Alberto Soeiro e Carlos Ramos (1944, muito modificados nos anos 80), a moradia nº. 121, de Frederico Caetano (1945), a moradia unifamiliar nº. 71, de Edmundo Tavares (1947), a moradia nº.156 de Maurício de Vasconcelos (1951), a moradia nº. 154, de V. Lacerda Marques (1952).

A avenida no final dos anos 60 ficou rodeada de enormes bairros de barracas. Dez anos depois entrou em rápida decadência, revelando-se cada vez mais insegura para quem nela andasse. Muitas das suas vivendas foram sendo abandonadas. Nos últimos anos temos assistido a um forte investimento na sua recuperação, onde se tem instalado diversas escolas e sedes de grandes empresas.

Escolas, Infantários e Creches

Algumas das vivendas tem vindo a ser recuperadas para a instalção de escolas, infantários e creches, o que tem trazido uma vida nova à avenida.

Magestil - Escola de Moda de Lisboa

Colégio Europeu Astória

Escola, infantários e creches Saint Daniel Brottier

 

" Quinta da Noiva"

A requalificação da avenida tem sido acompanhada do fim dos bairros de barracas que a envolviam, como o da "Quinta da Noiva"

Limpeza no nº. 81 -A

Quem passa pela Avenida Gago Coutinho, no número 81-A, junto à sede da Ordem dos Enfermeiros, não imagina que por detrás do arvoredo, subindo uma rampa, funcionou durante largos anos um conjunto de oficinas de serralharia e outras atividades.

Em 2018 o local, segundo o sr. Nogueira, um dos últimos ocupantes, foi adquirido por uma empresa estrangeira. Após indemnizar os proprietários das oficinas, dentro em breve irá proceder à limpeza do local.

Às oficinas, construídas numa antiga quinta, acedia-se às mesmas através de uma rampa, relativamente bem conservada.

A serralharia era a principal oficina. Aqui se fabricavam marquises em alumínio, portas, janelas e gradeamentos como a placa documenta.

Abandonadas, o que resta das antigas oficinas na Avenida Gago Coutinho são ruinas, onde abundam ratos.

Dentro em breve, destas oficinas nada restará. Novembro de 2019

Edifícos Abandonados ou para lá caminham...

Apesar da visivel recuperação do edificado muitas vivendas estão ainda abandonadas ou apresentam sinais de terem entrado num processo de rápida degradação.

É urgente pensar num plano de salvaguardade de alguns dos belos edificios que ainda sobrevivem na avenida.

 

 

 

 
Editorial

Entrada

História local
Guia do Lazer
Quiosque