Jornal da Praceta

 

Inconcebível !

(2004)

"Os bairros de barracas da Quinta do Correio Mor, Quinta do Alto (Vila Real) e Quinta do Carrapato (Bairro de S.J.Brito), na antiga Freguesia de São João de Brito, mesmo junto ao Aeroporto Internacional de Lisboa são a imagem perfeita do tipo de gestão urbanística que contínua a predominar na cidade de Lisboa. 

Não há palavras para descrever o estado geral de degradação em que aqui vivem e trabalham muitos habitantes desta cidade. Entre lixeiras, caneiros a céu aberto, automóveis abandonados, barracas, escombros de casas clandestinas, oficinas e um inacreditável ferro-velho. Por todo o lado  proliferam os negócios ilícitos e à noite se recolhem os sem abrigo, toxicodependentes e outros indivíduos. No centro deste cenário deprimente ergue-se o que resta da antiga quinta e "palácio" dos Condes de Vila Real. O cenário é indigno de uma capital europeia.

Todas as palavras, neste caso, são dispensáveis tão evidente que é a gravidade da situação e a incúria dos serviços da Câmara Municipal de Lisboa. O que anda a fazer o seu Presidente?"

Quinta do Alto. Imagem do que resta do antigo palacete do Condes de Vila Real 

Quinta do Correio-Mor. As barracas, onde vivem seres humanos, confundem-se com o lixo

 

Quinta do Alto. Numa inacreditável mistura de barracas, lixeiras aqui e ali em actividade descobrem-se armazéns, oficinas de automóveis e outros negócios.

Quinta do Alto. Café-restaurante do sr. Manuel Araujo, uma referência local. Natural de Ponte de Lima veio para Lisboa com 13 anos para trabalhar na construção, mais tarde empregou-se na Carris, mantendo-se sempre ligado a esta Quinta, embora resida fora dela. Junto ao café existia uma cabine telefone.

Quinta do Alto. Se imagem não tivesse legendas, qualquer pessoa diria foi tirada numa zona de guerra, mas na verdade reporta-se a um lugar central da cidade de Lisboa - na Freguesia de Alvalade

Bairro de S. João de Brito. Ao fundo pode ver-se o Aeroporto Internacional de Lisboa no meio de escombros.

Quinta do Alto. Quem passa pela Avenida do Brasil  e vê ao longe uma sucessão de barracas e casas em ruínas não pode imaginar o que aqui se encontra.

Quinta do Alto. Ruínas de antigas casas hoje povoadas por enormes ratazanas.

Quinta do Alto. Casas habitadas no meio entulho de obras e restos de construções.

Quinta do Alto. Pessoas, animais, viaturas e muito lixo entre o Aeroporto Internacional de Lisboa e o Bairro de Alvalade.

Quinta do Alto. O que mais impressiona que visita a zona é saber que no meio de tantas lixeiras vivem e trabalham pessoas.

Quinta do Alto. Em 2004 divulgamos dezenas de imagens de toda a zona do Bairro de São João de Brito, contactamos inúmeras entidades e serviços oficiais para que fosse feita, pelo menos, uma limpeza a toda a zona. Nenhuma entidade se mostrou sensível ao problema. Ao longo dos anos continuamos a insistir. Em 2017 estava prometida uma limpeza geral, mas nunca aconteceu.

 

Jornal da Praceta