.


Jornal da Praceta

Fundado em 2001


Informação sobre a freguesia de Alvalade

(Alvalade, Campo Grande e São João de Brito )

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Arquivo

 

Anterior

.

 

 

Arquivo Histórico da antiga Junta de Freguesia de S. João de Brito

(1959-2013)

 
 

 

Acabou !

A Junta de Freguesia de S. João de Brito foi extinta em 2013, e como acontece com algo que não tem relevância social, nem se dá pela sua morte. A junta desde 1977assumia-se como um bastião dos partidos de direita, estando sediada até 1997 na Avenida Rio de Janeiro e depois nas suas instalações atuais na Rua Conde de Arnoso, 5 B.

Os seus autarcas, "velhas raposas", cedo assumiram que as funções de uma junta de freguesia numa cidade como Lisboa eram absolutamente irrelevante, por isso dedicaram-se a inventar outras actividades: festas entre amigos, construção de uma excelente sede, exposições de pintura, passeios turísticos tendo para o efeito adquirido um autocarro, etc.

Ao longo dos anos na Assembleia Municipal de Lisboa, todos nos habituamos a ver o presidente desta Junta de S. João de Brito em manobras politiqueiras, muitas vezes contra a vontade da maioria dos que os elegeram como ocorreu em 2001.

Agora que a Junta foi extinta, espera-se que a nova Junta de Alvalade que ocupou as suas instalações, não siga os vícios da anterior. Deixamos alguns exemplos.

 
 

 

População: Dados Estatísticos

Símbolos:Orago,brasão e bandeira

Arruamentos:  Relação

 

 
 

Presidentes da Junta entre 1959 e 2013

1959 a 1960: Álvaro Andrade Gueitão Ferreira (Comissão Administrativa); 1960 a 1963: Guilhermino Augusto Meireles Matos;1964 a 1967: Paulino Pereira Oliveira;1968 a 1971: Paulino Pereira Oliveira;1972 a 1974: Paulino Pereira Oliveira ;1974 a 1977: Mário Prista Alves Casquilho;1977 a 1979: António Silva Arantes Russel;1980 a 1982: António Silva Arantes Russel;1983 a 1985: Orlando Ernesto Sampaio Carepa;1986 a 1989: Esmeraldo Oliveira Cruz;1990 a 1993: Esmeraldo Oliveira Cruz;1994 a 1997: Joaquim António Veloso;1998 a 2001: Joaquim Maria Fernandes Marques;2001 a 2005: Joaquim Maria Fernandes Marques;2005 a 2009: Joaquim Maria Fernandes Marques;2009 a 2013: Joaquim Maria Fernandes Marques.

Corrupção ?

Na Freguesia de SJBrito, as eleições autárquicas de Dezembro de 1994 foram ganhas pela coligação Com Lisboa (PS/PCP), tendo sido eleito como presidente Joaquim António Veloso, independente proposto pelo PS. Os novos autarcas deparam-se com inúmeras ilegalidades que configuravam um processo corrupção generalizada.

O caso mais grave foi o que envolveu o novo-edificio sede, a grande obra da junta anterior (PSD), presidida por Esmeraldo Cruz. A dívida acumulada ascendia a quase 85 mil contos. A obra fora adjudicada em 1992, mas não na sua totalidade. Fora montado um esquema de multiplicação de contrato na mais completa das ilegalidades. membros da anterior Junta desculparam-se afirmando que tinham apenas procurado evitar que a obra fosse fiscalizada por parte do Tribunal de Contas ( !!! ). O caso foi então objecto de uma reportagem pela revista Visão. 

A incompetência era total. A biblioteca doada à Junta pelo comerciante Chaves Caminha, em 1989, continuava ao abandono. Foi o novo executivo da junta que a salvou criando um Biblioteca com o nome do doador, que foi inaugurada em Novembro de 1997.

Perseguido ?

Joaquim António Veloso (PS), presidente da Junta de Freguesia entre 1994 e 1997,  derrotando o candidato de direita - Esmeraldo Oliveira Cruz (1986-1993). Em 2001 viu o seu estabelecimento - os Armazéns do Minho (Rua José Duro)- pela sexta vez assaltado nos últimos dois anos. Na comunicação social acusou a Direita de ter encomendado estes assaltos. O caso deu que falar no bairro. Mais 

O último Presidente

Joaquim Maria Fernandes Marques (PSD) foi presidente da junta entre 2001 e 2013. Formado em direito e antigo funcionário do Ministério das Corporações durante a ditadura (1926-1974). Como político destacou-se pelas suas posições de direita. Foi secretário de estado do 1º. Governo da AD e do 1º. Governo de Cavaco Silva, deputado da Assembleia da República, presidiu ao INATEL e desempenhou vários cargos no seu partido . Nada se assinala como autarca.

 

 
 

Passeios para a 3ª. Idade

"As câmaras municipais e as juntas de freguesia de norte a sul de Portugal desenvolvem importantes programas de apoio para a 3ª. Idade. 

Entre estas actividades contam-se a realização de passeios pelo país, proporcionando desta forma um melhor conhecimento ou reconhecimento do mesmo. 

Nos últimos anos, fruto do descalabro que tem reinado nas autarquias estes passeios tornaram-se em verdadeiros pretextos para os dirigentes e funcionários andaram a passear pelo estrangeiro. Câmaras e Juntas de Freguesia organizam e pagam viagens a idosos e funcionários ao Brasil e aos mais diversos países da Europa. Dir-se-ia que os problemas básicos estão resolvidos, e não sabendo onde gastarem o dinheiro, o fazem desta forma perdulária. ", 2007

Espaços ajardinados ao abandono na Freguesia de S. João de Brito

"Apesar de estarmos num bairro consolidado, onde os espaços ajardinados terem sido sempre muito bem cuidados, a verdade é que a incúria da CML e a aparente incapacidade da Junta de Freguesia contribuíram para a sua total degradação. Os protestos dos moradores, embora tenha eco na comunicação social, ainda não tiveram a força suficiente para alterarem a situação.  ".2005

Entre os muitos canteiros abandonados desta Freguesia, os da Avenida Rio de Janeiro espelham de forma paradigmática o estado calamitoso em que se encontram os espaços verdes em Lisboa. 

 

"Mato e lixo invadem canteiros de Alvalade

"Moradores lamentam o estado de abandono dos espaços verdes em plena Avenida Rio de Janeiro. Junta responsabiliza a Câmara 

"O colorido das flores e plantas dos canteiros da Avenida Rio de Janeiro, em Alvalade, Lisboa, de frente para o mercado, deu lugar ao castanho escuro da terra seca, ao lixo e aos dejectos caninos para desespero dos moradores, que há anos reclamam por medidas que dignifiquem aqueles espaços verdes de uma das zonas nobres da capital.

Quem mora à beira da Avenida desespera com o estado de abandono a que foram votados os canteiros. "Isto está completamente desprezado, não sei se por culpa da Câmara ou da Junta de Freguesia. Mas diga lá se isto não ficava muito mais engraçadinho com flores?", questiona a moradora Rosa da Conceição, apontando para os canteiros.

"Por vezes, o lixo é tanto que dá pena. Não bastava não tratarem dos canteiros como ainda retiraram as cercas. Agora, os cães invadem isto tudo e deixam dejectos por todo o lado. Juntou-se o desleixo com a falta de civismo das pessoas", reforça a vizinha Maria Isabel.

Joaquim Marques, presidente da Junta de Freguesia de S. João de Brito, reconhece "o lamentável estado dos canteiros", que atribui à inexistência de um sistema que permita a sua rega regular. Assegura que há vários anos vem solicitando a intervenção da Câmara de Lisboa, "infelizmente sem consequências práticas até à data". Segundo os moradores, a água da EPAL que servia para regar os canteiros deixou de existir. Alegam que essa ligação foi desviada há cerca de quatro anos para uma obra particular e não mais foi criada uma alternativa. "A Câmara é que é cliente da EPAL, não é a Junta que está habilitada a fazer um contrato com a empresa", argumenta Joaquim Marques.

O presidente da Junta garante que desde o início da "seca" tem enviado ofícios para a Câmara. As respostas prometem soluções, mas as acções acabam por não se concretizar. "Veja como está, por exemplo, o Largo Feitor Pinto, todo bem tratado pela Junta. Mas no Largo não nos falta a água", remata." , João Girão, in Jornal de Notícias, 2/5/2005

 
 

Santana Lopes

abandona a ideia de construir parques de estacionamento subterrâneos na Rua José Lins do Rêgo e na Avenida da Igreja

(uma história exemplar da mixórdia camarária)

 

Num verdadeiro golpe de teatro, às 20h10, do dia 4 de Maio de 2004, em plena Assembleia Municipal de Lisboa, pede a palavra e afirma que a CML acabara de abandonar o projecto de construir os dois famigerados parques de estacionamento. Notícias de Arquivo

 

 

Imagem da Praça de Alvalade durante as longas obras.

Praça de Alvalade: Ficou 7 anos ao abandono !  

Um dos melhores exemplos como a CML trata os espaços públicos é a Praça de Alvalade. A remodelação da estação do metro obrigou em 2003 à transformação da praça num enorme estaleiro. Os prejuízos foram enormes para o comércio local, obrigando ao encerramento de muitos estabelecimentos.  

As obras prosseguiram até Outubro de 2007, quando foram dadas por concluídas. A partir daqui seguiu-se uma disputa entre a CML e o Metro para saber quem é que devia de pagar a recuperação da Praça. Em Junho de 2008, António Costa, garantia os moradores que o assunto seria em breve resolvido. As obras de requalificação da Praça só se iniciaram em Agosto de 2009, a três meses das eleições autárquicas. A sua conclusão só terminou em Fevereiro de 2010. Os prejuízos foram enormes para o comércio local, obrigando ao encerramento de muitos estabelecimentos.

Imagem actual da Praça de Alvalade. As árvores desapareceram, ficando a praça com um aspecto inóspito.

 
 

 

Lisboa: Eleiçõs Autárquicas

Eleições Autárquicas de 2013

 Eleições Autárquicas de 2009  

Manifesto Eleitoral (2009)

 Eleições Intercalares Autárquicas de 2007  

Eleições Autárquicas de 2005 

No dia 9 de Outubro de 2005, os moradores da Freguesia de S. João de Brito foram de novo às urnas. Cada voto representou uma escolha, mas também o resultado de uma avaliação das propostas dos diferentes candidatos. Para a actual Junta de Freguesia, eleita em 2001, as eleições representaram avaliação pública do seu trabalho. 

A Junta desde há muito ligada ao PSD/CDS, já apresentou os resultados de quatro anos de trabalho, sendo de destacar as seguintes realizações : 1. Promoção de diversas actividades culturais no edifício da Junta de Freguesia; 2. Promoção do processo de destruição da Avenida da Igreja para a construção de um parque de estacionamento; 3. Realização de algumas actividades de apoio para jovens na Biblioteca Chaves Caminha.  

A maioria dos moradores gostaria de ver resolvidos problemas tais como: aumento da insegurança e criminalidade, falta de limpeza das ruas, transito e estacionamento caótico, aumento da poluição sonora e atmosférica, destruição dos pequenos jardins do Bairro, descaracterização de excelentes edifícios no bairro devido á proliferação de marquises e construções abarracadas, a inacreditável barracaria no "Bairro de São João de Brito", a lixeira em volta do Mercado de Alvalade, assim como a sua efectiva re-qualificação, etc, etc.  Todos estes problemas foram sistematicamente ignorados pela anterior Junta.

Apesar disto, os eleitores continuaram a dar a maior dos votos ao PSD. Qual a admiração?  Em Felgueiras e Gondomar, a maioria absoluta  também não foi dada a candidatos a contas com a justiça ? 

 Eleições Autárquicas de 2001

Estatísticas Eleitorais 1976-2007

 

 
 
   
  
 
 
 
 
 
 
   
   
   
   
   
   
  .